Segunda-Feira - Pandatômico


Terça-Feira - Conselhos Do Tio Caveira


Quarta-Feira - Japão em 2 Minutos


Quinta-Feira - Pandashop




Sexta-Feira - Cienciando





Já viu que agora o canal do Pandatômico no YouTube tem vídeos de segunda à sexta? Se não viu, os vídeos que saíram esta semana estão aqui.

DE SEG À SEX às 00:00 (horário de Brasília) tem vídeo novo no canal do Pandatômico.

|SEG - Pandatômico|TER - Conselhos do Tio Caveira|QUA - Japão em 2 Minutos|QUI - Pandashop|SEX - Cienciando|


Segunda-Feira: Pandatômico


Terça-Feira: Conselhos do Tio Caveira


Quarta-Feira: Japão em 2 Minutos


Quinta-Feira: Pandashop


Sexta-Feira: Cienciando




Oi,que saudade que eu estava de vocês :D
Tudo bem com vocês? :D Espero que sim!
Bom depois de muito tempo,estou aqui para passar uma dica muito legal para vocês :D
Espero que gostem!

Clica no PLAY?  

Recentemente, a comissão de educação do senado federal, o professor Ernani Pimentel propôs uma reforma ortográfica pra valer!
Seria eliminado da Língua Portuguesa os "CH", "Ç", "H" e designar uma função específica para se escrever palavras com -s, com -z, com -x, com -c e etc; utilizando somente os seus sons reais e não uma metamorfose no qual estamos acostumados a ler. Caso não leu a notícia, CLIQUE AQUI.





O estranho é qe seria uma coiza agresiva aos olhos ver tantas palavras escritas de maneira "nova". Já é um inferno lembrar qe oje escrevemos 'guardarroupa' sem o ífem no meio da palavra e plateia não tem mais asento. Na minha consepisão, seria muito mais fácil para eliminar muitas dúvidas das pesoas atribuindo apenas uma funsão para esas letras. As reasões das pesoas na internete é revoltante. "magina qe agora eu tenho qe escrever 'oso' sem dois -s. A língua portugueza é muito rica, porém qem
se sobresai são aqeles qe se dedicam a estuda-la. A pesoa qe se dedicou a aprender, tem o ábito de escrever e ler, só tem uma ferramenta a mais para buscar informasões. Qantas vezes eu vi pesoas cometendo erros de portuges só pela confuzão na semelhansa fonética das palavras? Sem contar que, não importa o quanto vosê saiba cumprir as regras de ortografia, se vosê errar a escrita, aí sim vosê é xamado de analfabeta. O serto é qe a nosa língua pasou por muitas mudansas desde qe se orijinou do latim e esas mudansas continuam acontesendo. Pasamos por várias reformas ortográficas até xegar aos dias de oje, o problema é qe qem está acostumado e acomodado, reclama. Eu gostaria qe iso ocorrese mesmo. Se vose for ver, odômetro já não possui -h obrigatoriamente. "Estória/história" já podem ser somente história (ou agora istória). Tinha muito diso na nosa língua de separar significados das palavras pela escrita delas. Seus netos ou bisnetos com serteza não escreverão desta mesma forma para sempre. É compreensível que as pesoas estranhem qualqer mudansa agora, mas e as outras mudansas qe ocorreram no pasado? Claro qe a língua culta é nesesária para se ir de norte a sul do Brazil falando a mesma língua sem qe as regionalidades se tornem dialetos como ocorre na Xina.
Eu sinseramente gostaria qe isa reforma ortográfica fose verdade mesmo. Se vosê asistiu meu vídeo até o final, sabe da minha teoria de uma suposta trolada feita pelo Cid, (ops! Sid) do Não Salvo com o Jovem Nerde.

O enquanto eu brinco com ese jeito de escrever, corretor de testos está dando pití com tantas palavras escritas de uma forma absurda. ueueue brbrbr

QUANDO EU DESCOBRIR QUE ISSO É TUDO É FALSO MESMO, eu posto o link aqui para vocês e vou GRITAR APONTANDO O DEDO NA CARA GRITANDO "EU SABIAAAAAAAA, EU SABIAAAAAA, SEUS FIADAPUTAS!" huehuehue.
Estou só no aguardo aqui!

O ALS ICE BUCKET CHALLENGE é o maior desafio viral para juntar fundos para pesquisas da cura da ESCLEROSE AMIOTRÓFICA LATERAL. Doença essa que o gênio da ciência Stephen Hawkins sofre. Essa doença matou a minha bisavó e eu me senti motivado a fazer. (vai que um dia eu me foda com isso...).
No começo eu estava achando uma puta besteira fazer isso, pois esse desafio chegou até a mim por amigos meus no Facebook fazendo. Porém eles estavam fazendo a versão distorcida da coisa: A intenção era só foder com o amigo, ver ele pagar mico e passar a corrente para frente ou pagar CINQUENTA dilmas para o desafiador. Depois de entender devidamente do que se trata, senti que a causa na verdade era nobre e não tinha nada a ver com que esse bando de puto estavam fazendo.
 Doação para a caridade é uma coisa que eu acho que não precisa de exibicionismo, mas sim compaixão pelo próximo do que ficar tirando selfies doando para PROVAR para os outros que fez a sua parte. Não precisa disso, mas esse desafio, por ter sido viral, foi um tapa na minha cara de achar que uma coisa dessa era só exibicionismo. Os números das doações comprovam isso e muitas pessoas se sentiram motivadas a doar porque é uma coisa que o mundo espalha. Quando que um instituto destes iriam ter tantas doações assim?
Primeiramente, o desafio era se foder jogar um balde de gelo na sua cabeça OU doar para a instituição e desafiar mais três amigos. Agora, mesmo levando um banho de gelo, é interessante fazer a doação caso você queira contribuir com a pesquisa.

Fui desafiado pelo LEONARDO KONUMA e eu aceitei participar. Soca o dedo no play e bom vídeo!


Só não indiquei ninguém, pois o pessoal achou que era bobeira, enfim...

É uma pena que o idealizador disso tudo faleceu bem no estouro desse viral.

Caso você queira doar também para ALS ASSOCIATION, CLIQUE AQUI!

Aqui está o comprovante da minha doação. Doe também!





Uma coisa que as pessoas estão mal acostumadas, são os sites, portais, blogs e vlogs por aí que fazem a conversão para seus preguiçosos leitores. Ok, nada contra isso, até acho bom quem faz. O problema é que isso faz com que as pessoas não peguem uma noção de conversão e datem as postagens, pois a moeda varia o preço diariamente; mesmo que pouco, mas em um futuro essa diferença aumenta ou diminui. Uma coisa que eu ainda pretendo fazer um vídeo a respeito, é explicar como não existe noção de dinheiro. Não existe caro e barato. Parece controverso, mas isso é munição para outro vídeo que junto com este que vos apresento, complementa aquele de que eu mostrei o que você consegue comprar com o salário daqui do Japão.
Essa dica que eu mostro aqui, dá uma noção muito fácil de como converter os valores. Claro que serve para valores arredondados e te dá um valor próximo ao que você quer. (dispenso a cambada que falam o horário certinho como: "agora são 16:24:21".
SOCA O DEDO NO CU PLAY E BOM VÍDEO!





Você curte uma historinha que te dá um arrepio na espinha? É o que conta o senhor Leandro Hiroshi, o "Hiro" do AquiPode.

 PLAY PLAY PLAY PLAY






Compilando várias dúvidas que chegam até mim das pessoas sobre o Japão, resolvi fazer esse vídeo dando uma noção de mais ou menos o que você gasta no dia-a-dia nipônico. Claro que isso não é uma  enciclopédia. Apenas algo para você não ficar perdido.



Caso queira saber o valor das coisas que eu mostrei no vídeo na moeda que você tem costume, entre no www.xe.com e faça a conversão do valor desejado com a cotação atualizada.

Forte abraço!

Uma coisa boa que o Brasil tem, é o calor humano e a receptividade que a brasileirada tem com visitantes. Especialmente gringos. Estava passando pelo G1 e vi essa matéria que achei interessante compartihar com vocês. Sei que é um 'CTRL+C CTRL+V', mas se você clicar nos botões de recomendar do Facebook e do Twitter que aparecem na matéria, o link vai direto pro G1. Então se forem compartilhar, façam por esses botões para dar o crédito e pageview para eles, ok? 
Vale a pena vocês que ainda não leram, ler.
Abraços.  

VIA G1


10/07/2014 10h21 - Atualizado em 10/07/2014 15h50

Aplaudir pôr do sol, abraçar... Veja o que surpreendeu os estrangeiros

Turistas que vieram para a Copa listam o que acharam mais surpreendente.
Pão de queijo, compras parceladas e falta de pontualidade foram citados.

Flávia MantovaniDo G1, em São Paulo
O chileno Richard, o americano Joe, a estoniana Elsa e o suíço Lukas Bärtschi (Foto: Arquivo pessoal)O chileno Richard, o americano Joe, a estoniana Elsa e o suíço Lukas Bärtschi (Foto: Arquivo pessoal)
O americano Joe Bauman, que veio para a Copa do Mundo no Brasil, achou estranho ver que todo mundo colocava algo que parecia areia na comida. Foi assim que ele descobriu a farofa e virou adepto. "Comecei a colocar farofa em tudo", conta ele, que também ficou surpreso com as paisagens naturais, a obrigatoriedade de votar nas eleições e o interesse das brasileiras pelos gringos.
G1 perguntou a Joe e a outros 11 estrangeiros que visitaram o Brasil durante o Mundial o que eles acharam mais curioso ou diferente aqui em relação a seus países de origem. As respostas foram variadas, mas um ponto se repetiu em quase todos os depoimentos: a surpresa positiva com o jeito alegre e receptivo do povo. Confira a seguir o que os turistas responderam:
O canadense Florent Garnerot (Foto: Flávia Mantovani/G1)O canadense Florent Garnerot
(Foto: Florent Garnerot/Arquivo pessoal)
Florent Garnerot, do Canadá
- Na praia, os brasileiros ficam de frente para o sol, e não para o mar. Achei interessante!
- Os brasileiros se encontram, bebem juntos e dividem a conta. No Canadá, cada um paga o que consome.
- Aqui os casais se beijam e demonstram afeto em público, o que não acontece no Canadá.
- As mulheres sempre usam joias, maquiagem… Elas se arrumam muito.
- Quando quero encontrar um amigo no Canadá, preciso planejar com pelo menos uma semana de antecedência. Eles precisam falar com suas mulheres, etc. No Brasil, isso é muito mais espontâneo.

O americano Joe Bauman (Foto: Joe Bauman/Arquivo pessoal)Joe, dos EUA (Foto: Joe Bauman/Arquivo pessoal)
Joe Bauman, dos Estados Unidos
- Quando cheguei aqui, me perguntava por que todo mundo colocava areia na comida. Depois provei e vi que tinha gosto de bacon. E finalmente comecei a colocar farofa em tudo.
- Os brasileiros bebem muito. Todos os compromissos sociais envolvem amigos e cerveja.

- Achei estranho ver que muitas famílias de classe média têm empregadas domésticas. Nos EUA, só os ricos têm. Fiquei um pouco desconfortável de ver que uma estranha ia fazer minha cama, lavar minha roupa ou preparar meu café da manhã.
- Os brasileiros adoram dar comida para as visitas. É a forma de eles cuidarem de você.
Achei estranho ver que muitas famílias de classe média têm empregadas domésticas. Nos Estados Unidos, só os ricos têm."
Joe Bauman,
turista americano
- Fiquei impressionado de saber que os adultos são obrigados a votar. Nos Estados Unidos, temos taxas vergonhosamente baixas de comparecimento nas eleições.
- Fiquei maravilhado com as belezas naturais. As montanhas, as praias, a vegetação, tudo é diferente de onde eu moro. Não podia acreditar que existisse um parque do tamanho do da Tijuca dentro de uma grande cidade como o Rio.
- Fiquei impressionado de saber que foram criadas tantas Constituições no país e que a versão atual recebeu tantas emendas. É muito diferente da Constituição americana, que é muito antiga e foi modificada poucas vezes.
Os brasileiros adoram dar comida para as visitas. É a forma de eles cuidarem de você"
Joe Bauman
- Achei meio nojento ver que aqui jogam o papel higiênico na lixeira [e não no vaso sanitário]. Não fica um cheiro ruim?
- Aqui passam muitos programas de TV americanos, mas tudo da década de 1990. Achei engraçado ver que os brasileiros adoram o seriado "Friends", que não vai ao ar nos EUA há mais de dez anos.

- As brasileiras parecem adorar os gringos. Estranho, né? Mas achei isso ótimo. Aliás, minha parte favorita do Brasil, com certeza, foram as brasileiras. Eu me apaixonei. Mais de uma vez. Certamente voltarei um dia ao Brasil para encontrar minha futura mulher.
- O coração e a alma deste país maravilhoso são os brasileiros. Eles queriam me mostrar tudo e se certificar de que eu tivesse uma boa experiência – e eu certamente tive!

O esloveno Luka Jesih (Foto: Luka Jesih/Arquivo pessoal)O esloveno Luka (Foto: Luka Jesih/Arquivo pessoal)
Luka Jesih, da Eslovênia
- Os brasileiros falam alto, quase gritando, e muito rápido.
- Vocês comem MUITO. Muito mesmo. Passei uma semana com uma família brasileira e sempre tinha alguma comida ou fruta na mesa.
- Na Europa, tudo é mais calmo. No Brasil, quando as pessoas cantam o hino, elas choram, cantam alto e com muita emoção.

O chileno Richard Diaz (Foto: Richard Diaz/Arquivo pessoal)Richard Diaz (Foto: Richard Diaz/Arquivo pessoal)
Richard Diaz, do Chile

- Fiquei surpreso de ver como é rápido fazer amigos aqui, tanto na favela quanto nos condomínios mais exclusivos.
- Percebi que os homens são muito machistas. Eles tratam as parceiras como empregadas deles, especialmente em relação às tarefas domésticas.


Torcedores barbudos ingleses (Foto: Flávia Mantovani/G1)Adam, Pete e Dave (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Adam Burns, David Bewick e Pete Johnston, da Inglaterra
- Achamos estranho ver que aqui vocês comem coração de galinha.
- Os brasileiros são muito vivos e cheios de energia. Vocês se mexem muito, estão sempre se mexendo.
- Vocês também sorriem muito.


Mohamed Moulkaf, da Argélia (Foto: Flávia Mantovani/G1)Mohamed, da Argélia (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Mohamed Moulkaf, da Argélia
- Na Argélia, não há mulheres que dirigem motos.
- Quase todas as lojas daqui parcelam as compras em várias vezes sem juros. Gostei disso. Dá para pagar o mesmo preço dividindo até em dez meses.
- Os seguranças de banco aqui andam armados. Lá, não é assim.

O canadense Kyle Dreher (Foto: Kyle Dreher/Arquivo pessoal)Kyle Dreher (Foto: Kyle Dreher/Arquivo pessoal)
Kyle Dreher, do Canadá
- Quando você conhece alguém, dá dois beijinhos na bochecha. Isso é muito diferente do aperto de mão que a gente dá no Canadá.
- Adorei o queijo coalho com orégano na praia! E o milho também! Todo dia eu comia.
- No Brasil, as pessoas aproveitam mais a vida e o presente que no Canadá. Lá, todo mundo é muito focado em trabalho, dinheiro e status.
- Na favela perto de onde eu estava hospedado, soltavam fogos de artifício toda hora, de dia e de noite. No começo, achei que fossem tiros de revólver, mas depois descobri que é um sinal de que as drogas estão chegando por lá. Acabei me acostumando.

Rodrigo Escobar, do Chile (Foto: Rodrigo Escobar Rebolledo/Arquivo pessoal)O chileno Rodrigo Escobar Rebolledo
(Foto: Rodrigo Escobar/Arquivo pessoal)
Rodrigo Escobar Rebolledo, do Chile
- A amabilidade, a forma de receber as pessoas, a alegria e a simplicidade do povo brasileiro foram o que mais me chamou a atenção. Fomos tão bem recebidos em Cuiabá, que isso me marcou. Você perguntava algo e te indicavam tudo, te convidavam para churrascos.
- Vocês sempre têm um sorriso para mostrar. Nós chilenos também somos acolhedores, mas somos mais sérios, formais, calados.
- As garotas são lindas, carinhosas e simpáticas. Quero um dia ter uma esposa brasileira.
- Os brasileiros são muito relaxados, mais até do que se deve, às vezes. A turma marca de se encontrar "amanhã às 10h" e ninguém aparece.
- A parte ruim foi encontrar muita obra incabada, pelo menos em Cuiabá.

A estoniana Elsa Saks (Foto: Fernando Nunes/Arquivo pessoal)Elsa (Foto: Fernando Nunes/Arquivo pessoal)
Elsa Saks, da Estônia
- Estranhei o arroz com feijão. No início, pensei: "É sério isso?". Mas acabei achando superdelicioso.
- Gostei muito do pão de queijo. Tão bom! Adorei.
- Músicos não são pagos pelo bar onde tocam, mas pelo couvert que os clientes pagam.
- Brasileiros jantam tarde. É normal comer às 22 horas.
- Os brasileiros não são bons em pontualidade.

O suíço Lukas Bärtschi (Foto: Lukas Bärtschi/Arquivo pessoal)Lukas (Foto: Lukas Bärtschi/Arquivo pessoal)
Lukas Bärtschi, da Suíça
- Foi ótimo ver todo mundo na rua usando roupas amarelas, desde uma senhora idosa com chapéu do Brasil até uma criança com a camisa da Seleção.
- Ficamos surpresos de ver como tudo foi bem organizado. O ônibus para o estádio, as informações para o aeroporto, tudo funcionou muito bem.
- Muita gente se esforçava para falar inglês. Quando estive no Brasil antes, há seis anos, ninguém falava nem uma palavra.
- Foi muito especial ver que cada estádio servia a comida típica da região. E todas eram muito gostosas.
- As pessoas são todas alegres e recebem você de braços abertos.

Daniel Lane, da Inglaterra (Foto: Daniel Lane/Arquivo pessoal)O inglês Daniel com a mulher, que é brasileira
(Foto: Daniel Lane/Arquivo pessoal)
Daniel Lane, da Inglaterra
- Os brasileiros muitas vezes usam roupas muito apertadas.
- As pessoas chegam atrasadas para tudo.
- Vocês abraçam muito mais.
- Vocês falam "Boa praia!" para as pessoas.
- As pessoas são bem mais religiosas – geralmente, nós só somos religiosos quando queremos muito uma coisa: por exemplo, que nosso time avance na Copa do Mundo.

George Woolley , dos EUA (Foto: George Woolley/Arquivo pessoal)George mostra o ingresso para um jogo da Copa
(Foto: George Woolley/Arquivo pessoal)
George Woolley, dos EUA
- As pessoas aplaudem o pôr do sol na praia do Rio. Isso nunca aconteceria nos Estados Unidos.
- Poder beber cerveja em público também é algo que não acontece nos EUA, exceto em lugares como Nova Orleans.
- O fato de que as pessoas são tão felizes por estarem vivas é algo muito diferente e palpável.


DRONE, do inglês zangão, é uma aeronave não tripulada também conhecida como V.A.N.T. (veículo aéreo não tripulado). Portugal resolveu entrar na onda de DRONES para fins militares e construiu o modelo MAIS FAIL QUE EU JÁ VI NA VIDA!



O "melhor" de tudo é que, ao invés de cancelarem a reportagem, resolveram MESMO ASSIM mostrar para o povo.


Lava rápidos ou 'car washes' é uma coisa muito comum em todo o mundo, afinal, onde se tem carros, precisa-se de um lugar para limpá-los. No Japão não é muito diferente disso. A julgar que as casas, em sua grande maioria, possuem garagens pequenas, não é lá um bom local para se passar o sábado de manhã cuidando de sua 'máquina' com o devido cuidado. Por isso, além dos locais onde você paga funcionários para lavarem seu carro ou passa em uma máquina com escovas gigantes e rotatórias, você pode alugar um 'espacinho' com todas as ferramentas necessárias para deixar seu carro tinindo. (ou como se diz aqui: PIKA PIKA). Isso, quem conta com mais detalhes, são nossos amigos do Japão Nosso De Cada Dia.

SOCA O DEDO NO PLAY E BOM VÍDEO!



Tomar um banho de água no verão é fácil. EU DESAFIO a tomar no INVERNO daqui. hehehe



As cobras são animais que com certeza estão entre os mais temidos pelo ser humano, mesmo que 85% das cobras do mundo não possuem veneno. Dentre as 2.700 espécies conhecidas, apenas 30 são nocivas a nós, mas essa minoria acaba causando uma má reputação às demais.
A região mordida pela cobra fica muito dolorida e em questão de minutos, o sangue começa a sair pela boca da vítima e sua pressão cai. Músculos e a pele entorno da mordida começam a necrosar. Após isso, se não tratado a tempo, o sangue coagula dentro das veias e seus rins começam a falhar junto de vários outros órgãos e enfim, estarás morto.
Veja o que apenas UMA GOTA de veneno de cobra é capaz de fazer com seu sangue. SOCA O DEDO NO PLAY!

   


Como seria um a capella deste sucesso do Daft Punk, vencedor do Grammy de 2014? Fábio, um talento do canal ANOS INCRÍVEIS nos presenteou com isso aqui. Soca o dedo no PLAY e bom vídeo!



Até onde vai sua moral e ética em situações como estas? O que é certo e o que é errado?

Marc Hauser, biólogo que faz pesquisas relacionadas ao comportamento humano e animal, em uma de suas pesquisas, criou um questionário com perguntas simples onde o leitor tinha que responder alguns dilemas morais e éticos. Separei aqui algumas das perguntas para vocês responderem. Claro que, como se trata de um DILEMA, há apenas duas opções no questionário, sendo obrigatório escolher apenas uma delas sem tentar buscar formas alternativas de como resolver o problema.

RESPONDA COM SINCERIDADE.









Bote nos comentários suas impressões e justificativas se quiser.  
Forte abraço!

GALERA! Eu sei que o blog está abandonado, mas eu estou sem tempo para a dedicação devida a ele. A Copa do Mundo já começou fazendo feio. O Brasil que é conhecido por ser uma nação que sabe fazer uma festa com toda a 'boniteza', acabou fazendo uma apresentação de teatro típica de uma escolinha de primeiro grau. Mas o que mais me irritou nessa abertura, foi o tão esperado chute inicial dado por um EXOESQUELETO onde a pesquisa entorno dele está sendo encabeçado por um neuro-cirurgião brasileiro chamado Miguel Nicolelis. Eu fiquei sinceramente chateado com o pouquíssimo destaque dado a isso.
SOCA O DEDO NO PLAY E BOM VÍDEO!





Olá pessoas queridas :D.Tudo bem com todos vocês? :D
Bom estou aqui hoje para apresentar uma loja que,qualquer pessoa se perde la dentro de taaaaaaaaaaanta coisa hahaha.
Bora assistir? :D
Clica no Play!



Olá pessoas,tudo bem com vocês?
Bom como vocês ja viram no titulo,hoje vim apresentar um novo investimento que eu fiz para o meu canal :D
Bom eh um óculos de Sol+Camera :D
Não entendeu ainda?
Assista o vídeo :D



Vira e mexe eu vejo alguém dizer que você é ‘paga pau’ de alguma nação só porque acha que algumas coisas nos referentes países são melhores se comparados ao Brasil. Eu detesto esse tipo de pensamento pois faz com que pareça que a situação atual do Brasil é um mar de rosas e que todos estão felizes com isso. Eu vejo nos olhos das pessoas o desespero delas, mas um orgulho muito grande. Orgulho esse que atrapalha de vez em quando. Eu, nos meus vídeos, de vez em quando eu tento abordar alguns assuntos do tipo e, a exemplo de outros produtores de conteúdo pelo mundo a fora, viventes em países de primeiro mundo, dependendo do modo que se aborda a questão em si, os brasileiros residentes no Brasil (principalmente aqueles que não possuem condições de sair do país) se sentem ofendidos com qualquer tipo de elogio que se faz a um outro país. Longe de mim tirar vantagem disso só porque eu moro no Japão. Quando eu mostro algo melhor é a título de exemplo que poderia perfeitamente ser seguido, mas devido a problemas culturais, pobreza em demasia, falta de oportunidades e jeitinho brasileiro (no que se diz respeito ao mau comportamento devido a impunidade e vista grossa de quem deveria punir), parece até utópico imaginar isso no Brasil. Mesmo com os pés no chão e colocando em cheque as desvantagens de se morar em algum país de primeiro mundo, e sem sombra de dúvidas, mesmo sendo em menor número, cada defeito é ‘degustado’ e serve de munição para os odiadores de plantão. Uma coisa que me incomoda (e é onde eu queria chegar neste texto), é o tipo de ódio contra americanos ou estado-unidenses (que o corretor ortográfico insiste em dizer que está errado), só por causa da parte de sua população medíocre não ter conhecimentos aprofundados sobre o Brasil. No vídeo, eu fiz um comparativo com um país que pouco se há interesses em estuda-lo como o Chipre como um exemplo para deixar nítido uma coisa que, um brasileiro mediano que não teve a curiosidade de saber mais sobre a cultura desta ilha, não saberá responder estas simples perguntas. Convenhamos que o Chipre não é o melhor comparativo, pois o Brasil é a sexta maior economia mundial e com uma presença territorial que chama a atenção no mapa, porém há um exagero em querer chamar toda essa atenção para o mundo. Se pararmos alguém na rua do Brasil para responder perguntas de conhecimentos de outras potências mundiais, provável que o conhecimento sobre estes países sejam no máximo o nome do presidente, a capital e a língua ou qualquer outro ponto turístico. Se duvidar, não sabem nem que o Cristo Redentor no Rio de Janeiro não fica no topo do Pão de Açúcar e sim no Corcovado. Conhecimentos básicos como estes, são exatamente o que pessoas ao redor do mundo sabem sobre o Brasil. Os Estados Unidos exportam filmes desde que me entendo por gente muito antes da era ‘internética’ em massa e somos bombardeados com isso o tempo todo. Talvez aí seja uma explicação sobre muitas coisas que conhecemos a respeito dos estado-unidenses. Se você obtém um conhecimento de uma história aprofundada dos países de primeiro mundo, com certeza você está muito acima da média e existem essas pessoas do outro lado da moeda que estudam e querem saber do Brasil. Basta apenas perguntar para as pessoas certas. Querer que uma pessoa saiba responder coisas que necessitam um conhecimento específico que, por sua vez, necessitam estudos avançados naquilo ou um interesse descomunal, me soa como uma mulher fútil (leia-se qualquer gênero) que fica chateada com o namorado porque ele não lembrou da data e hora do primeiro beijo ou que não reparou nos dois milímetros que ela cortou do cabelo.

:::Breno:::



OCIOSO, bitches!